A trama do algodão que transforma

finalista 2019

Instituição
Cooperativa Central Justa Trama
Endereço
Rua Affonso Paulo Feijó, 501 - Sarandi - Porto Alegre/RS
E-mail
justatrama@justatrama.com.br
Telefone
(51) 3344-3454
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Nelsa Inês Fabian Nespolo(51) 99834-6879nelsaifn@gmail.comwww.justatrama.com.br, @justa.trama
Resumo da Tecnologia

A tecnologia é desenvolvimento da cadeia de produção do algodão agroecológico que envolve todos os elos de produção desde o plantio até a produção de roupas com tingimento com pigmentos naturais/vegetais e comercialização da roupa e acessórios, Somos economia solidária, temos valores justos para cada etapa, sem atravessador. O algodão é plantado de forma agroecológica, consorciado com outros plantios e sem agrotóxicos. A nível local, a organização da comunidade. Em dois dos cinco elos organizamos bancos comunitários de desenvolvimento liderados por mulheres, promovendo acesso a credito, consumo local com moeda social e capacitação através de cursos para gerar renda.*{ods8},{ods13}*

Tema Principal

Renda

Tema Secundário

Meio ambiente

Problema Solucionado

A renda é baixa porque quem gera a riqueza não tem o controle de todos os elos de produção, esta somente numa das pontas e ainda não é dono dos equipamentos de produção. Alem disso não há uma preocupação de que o que produzimos tenha o cuidado com o meio ambiente. A produção da grande maioria das roupas que usamos vem da fibra sintética ou do algodão convencional que tem 25% dos agrotóxicos do mundo, e esse veneno esta nos lençóis nas roupas intimas que estão em contato com o corpo e a casa das pessoas.
As comunidades locais estão abandonadas, o grande mercada desmonta o comercio das vilas e bairros, a população se desloca, gasta seu dinheiro fora da comunidade, e as comunidades estão empobrecidas. Não há incentive para produção e comercio local para a inclusão econômica e nem mesmo para iniciativas de geração de renda local. As mulheres sobretudo as que sustentam suas famílias são as que mais sofrem as consequências deste modelo, na insegurança econômica e do futuro de seus filhos assediados pela droga e pelo crime.

Objetivo Geral

Promover a integração dos trabalhadores(as) dos varios elos de produção do algodão agroecologico, deste o plantio, transformação, produção das roupas e tingimento com base na preservação do meio ambiente, promovendo integração e desenvolvimento local, e bancos comunitários com mulheres a frente.

Objetivo Específico

. Juntar os vários elos desde o plantio do algodão agroecológico, fiação, tecelagem, confecção, produção de artesanatos como brinquedos, jogos pedagógicos com os retalhos, num processo de autogestão coletiva e participativa, decidindo os valores justos que cada elo de produção deve receber pelo produto desenvolvido. . Desenvolver a tecnologia do tingimento natural. . Promover ações de mudança no local de cada elo, que promovam o desenvolvimento local, seja com bancos comunitários de desenvolvimento, organização das mulheres, redes de agroecologia . Promover cursos de geração de renda aproveitando os retalhos gerados na confecção. . Replicar este modelo de cadeia de produção para outras áreas e outros setores da economia. . Fortalecer o trabalho coletivo nos moldes da Economia solidária, onde o resultado é distribuído de forma justa para os envolvidos. . Estimular iniciativas em que as mulheres sejam as protagonistas, através de eventos e cursos que priorizem sua participação.

Descrição

A Justa trama surgiu em 2005, motivada pela produção de 50 mil bolsas do Fórum Social Mundial em Porto Alegre, onde a cooperativa Univens junto com mais 44 empreendimentos da Economia solidaria de 4 Estados envolvendo o fio, tecido, confecção e serigrafia em um mês entregou a produção. Não havia mais duvida que poderíamos mais, ou seja juntar também o plantio do algodão e ainda mais que fosse orgânico. No mesmo ano já produzimos as primeiras roupas. Em 2018 constituímos juridicamente como cooperativa Central justa trama que tem como associados:
- Adec de Tauá - Ceara onde os agricultores são associados e plantam o algodão agroecológico na cor cru e marrom.
- Aefaf no maior assentamento do Brasil, Itamarati no MS e planta o algodão rubi
- Coopertextil que faz o fio, tecido e o acabamento e fica em Para de Minas - MG
- Cooperativa Açaí que produz os botões derivados de coco e tucumã, além das bonecas com os retalhos da confecção da Justa Trama e os colares e fica em Porto Velho - RO
- Cooperativa Univens - Porto Alegre RS, produz as roupas, confecciona, faz modelagem, tece a malha, faz o tingimento natural, borda e serigrafa as peças diversas. Integrados estão outros coletivos que produzem bichos e jogos pedagógicos com os retalhos da confecção.
A sede fica me Porto Alegre, onde acontece a parte administrativa da Justa Trama. A gestão é feita pelo conselho administrativo formado por 2 componentes de cada elo. As reuniões são presenciais são duas vezes ao ano e no mais a comunicação é feita por e-mail, fone ou wats para que todos participem das decisões. Somos em torno de 500 trabalhadores(as). Recebemos todos de 30 a 100% comparado com outros produtos similares do mercado porque temos todos os elos de produção. Apartir de 2015 passamos a desenvolver o tingimento natural em parceria com a etno botânica que nos capacitou e nos apropriamos de toda tecnologia inclusive da fixação das cores.Além do tingimento das peças da Justa Trama também prestamos este serviço a outros. Há atualmente uma parceria com o instituto Federal de Rondônia para desenvolver a extração das cores direto das plantas, folhas e flores da Amazônia.
O deslocamento do tear para a sede da justa trama desafiou capacitar um coletivo de mulheres da Univens que vem hoje desenvolvendo a meia malha listada em vários desenhos que tem feito a diferença em nossa produção.
Mesmo estando em todas as regiões do Brasil, sentimos que deveríamos promover impacto no local onde estamos, estão teríamos uma ação nacional, demostrando que é possível juntar trabalhadores(as) de Estados tão diferentes e que poderíamos produzir juntos e dividir os ganhos de forma justa entre todos, além disso fazer um produto que respeita o ser humano e também o meio ambiente tendo como matéria central para nossos produtos o algodão agroecológico. Nesta concepção hoje em cada elo tem ações locais de impacto:
A Adec atua na rede de agroecologia que é inclusive regional. A AEFAF atua com o Banco comunitários de desenvolvimento, ITA, e desenvolve uma linha de credito onde os agricultores acessam especialmente para a compra de insumos para o plantio e os juros mensais são de 1%. A Univens também atua com banco comunitário de desenvolvimento: Justa Troca, sediado na própria sede da Justa Trama, trabalha com moeda social, JUSTO, incentivando o consumo local para que os moradores comprem na Vila e o comercio dá os descontos para quem compra com a moeda. Tem linhas de credito para investimentos e também para pequenas reformas nas moradias, além disso promove feiras e cursos de capacitação para gerar renda dentro da comunidade e no entorno, desde aproveitamento de retalhos, costura e artesanatos. Nos dois bancos comunitários as mulheres são a grande maioria e as protagonistas.
Os produtos da Justa Trama estão em vários Estados do Brasil e em Montevidéu, em todos os espaços são comercializados junto a outros similares. Produzimos também para demandas de produtos corporativos e atendemos pelo site www.justatrama.com.br. Alem disso na sede em Porto Alegre temos uma loja própria. Promovemos desfiles, debates, promovendo o consumo consciente, e esclarecendo sobre o algodão agroecológico para que as pessoas saibam de onde vem sua roupa.
Estamos investindo para o aumento do numero de agricultores no plantio, especialmente no assentamento Itamarati com o algodão rubi. Desde 2016 estamos também comercializando o tecido para que outras marcas se fortaleçam usando o algodão agroecológico e fortaleçam este modelo, trabalhamos muito a marca a roupa que veste a consciência pois a escolha da marca e do que você usa demonstra também o nível de consciência das pessoas e o seu compromisso com o mundo e especialmente com o meio ambiente , e ao mesmo tempo é também uma escolha para um mundo mais Justo com a renda melhor distribuída.

Resultado Alcançado

Neste período de 14 anos temos muitos resultados :
. A justa trama é autossustentável, remunerando cada elo de produção de forma justa, beneficiando entorno de 500 trabalhadores(as) das cinco regiões do Brasil. . A Justa trama influi diretamente na definição do valor do algodão orgânico pago no nordeste. . Apartir do estudo e pesquisa realizado pela FAO sobre o enfrentamento a pobreza nos países como a Bolívia, Paraguai, Colômbia pelo abandono ao plantio do algodão, selecionaram a metodologia da Justa Trama como modelo que pode fazer enfrentamento a esta situação.Portanto reconhecimento latino americano. . Reconhecida como boa pratica de Economia Solidária pelo BNDES, com o premio Sandra Magalhães. . Outras cadeias surgiram replicando este modelo como a cadeia das Frutas nativas no RS, que articula desde a colheita do açaí(juçara), butiá, araçá entre outras até a produção das polpas, dos sucos, sorvetes e picolés, articulando várias cidades. Todos são coletivos. . A segurança dos agricultores com a segurança de compra do algodão e a segurança das costureiras e artesãos em que o futuro e os valores a receber dependem somente do empenho de cada um na qualidade, e no compromisso com o processo de gestão. Não depende de terceiros ou atravessadores. . Reconhecimento deste outro modelo de desenvolvimento e agora tem chamado atenção especial para o desenvolvimento local, através dos bancos comunitários onde além de acessar o credito e a moeda social, a comunidade participa das feiras de empreendedores locais e tem acesso a cursos para acessar outras formas de geração de renda dentro da comunidade. A comunidade local esta mais integrada. . Em 2018 tivemos o melhor resultado econômico da Justa Trama desde sua fundação. Aumento das vendas e agregação de valores. Melhor resultado de distribuição das sobras para cada associada.. . Em 2018 tivemos a produção de 2 toneladas do algodão rubi e 5 toneladas do algodão cru. . Aumento das vendas, abrindo hoje 15 pontos de venda. Estamos em SP com 4 pontos de venda. . Os produtos corporativos tem crescido e isso significa atingir um publico maior que retorna comprando outros produtos. . O aumento de venda dos tecidos e malhas incentiva a que outras marcas surjam e possamos ter uma consciência maior quanto ao organico. . Reconhecida como um modelo que motiva outros e faz acreditar que é possível, isso se manifesta pelos inúmeros convites para apresentar a experiência , no Estado, e fora do Estado e em eventos no mundo

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Ponta Porã / Mato Grosso do SulAssentamento08/2010
Tauá / Cearácomunidade02/2005
Porto Velho / Rondôniacomunidade02/2005
Pará de Minas / Minas Geraiscomunidade02/2009
Porto Alegre / Rio Grande do Sulcomunidade02/2005
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Adulto
Agricultores Familiares
Artesãos
Assentados rurais
Desempregados
Empreendedores
Famílias de baixa renda
Jovens
Lideranças Comunitárias
Mulheres
População em geral
População Ribeirinha
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

São especialmente recursos humanos e muita dedicação na articulação.
Juntar todos os elos do processo de produção
Sede para funcionamento, arquivos e estantes para o estoque
Computadores
Impressão da moeda social
Estantes para feira
Passagens para reuniões
Fundo dos bancos comunitários para os créditos
Maquinas
Estrutura para os cursos de capacitação
Recursos para remunerar as oficineiras
Remuneração para a parte administrativa e gestão
Materiais de divulgação como folders, jornais, panfletos, tags
Agente de credito e de mobilização
Modelos para os desfiles
Campanhas de mídia

Valor estimado para a implementação da tecnologia

O recurso que remunera toda a cadeia gira entorno de R$200.000,00 para fazer o giro de funcionamento e iniciar o processo de retorno deste recurso com as vendas realizados. O banco comunitário necessita de R$50.000,00 incia dando impacto.

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
Unisol BrasilApoio na articulação
Instituto Federal de RondoniaApoio para a extração das cores naturais da Amazonia
Universidade Federal do RGSApoio na implantação do Banco Comunitario Justa Troca
PetrobrasPatrocinio
Garraf CooperaApoio Financeiro de Projetos
Nexus Italia/BrasilApoio financeiro para Justa trama e fundo do Banco Comunitário
Conosud /CeraeApoio Financeiro para Univens, Açai, Banco Ita e Justa Troca
Instituto lojas RennerApoio Financeiro
Instituto C&AApoio na gestão e comercialização
Fundação Luterana de DiaconiaApoio
Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
Sobre a direção atual e as regras de funcionamento segundo o estatutoBaixar
Pesquisa que selecionou a Justa Trama com a melhor metodologia para enfrentamento da pobreza na America LatinaBaixar
Sobre na Justa trama em revista da EspanhaBaixar
Nova Edição do Livro Tramando certezas e EsperançasBaixar
Depoimento de Paul SingerBaixar
Plano de negócios da Justa Tramadownload
Texto sobre a Justa tramaBaixar
Historico inicial do Banco Justa trocadownload
Endereços eletrônicos associados à tecnologiaDepoimento Livre

A construção desta tecnologia social chamada a trama do algodão que transforma, tem se transformado nos últimos anos e aprimorado com o tingimento natural com pigmentos vegetais e tem se inserido muito no local transformando vidas com os bancos comunitários de desenvolvimento. Estamos promovendo o enfrentamento a esta desigualdade social que vivemos com cadeias de produção que preservam o meio ambiente e distribuem de forma justa a renda gerada, e ao mesmo tempo transformamos nosso local onde vivemos fazendo com que nossas comunidades enfrentem a violência do trafico e a pobreza deixando o dinheiro na comunidade com a moeda social, promovendo capacitação e linhas de credito que incentivem novos empreendimentos que incluam as pessoas e gerem renda, vida digna e esperança no futuro.